Diário de Ourinhos

envie sua pautahoroscopo
Blogueiros

Blog do Messias

www.diariodeourinhos.com.br/blogdomessias
por José Claudinei Messias

Nossas vidas são marcadas por desafios, lutas, momentos de tristeza, alegria e euforia, onde a cada experiência vivida, sempre fica um aprendizado e a oportunidade em conhecer as pessoas que nos cercam, com fortalecimento de laços de amizade, mas também decepções por ações quase sempre escondidas.

Após passar por uma experiência pessoal e política, concluí em recente artigo intitulado “Virando a página..., de um escândalo que nunca aconteceu!” que essa é apenas uma síntese dos momentos vividos, onde passada mais essa fase em minha vida, que entrou como uma triste página para a história de Ourinhos, na qual um equívoco e seus desdobramentos, serviram para provar minha fé em Deus, conhecer mais as pessoas e a própria dinâmica da justiça, ou injustiça, e também o papel da imprensa na formação da convicção pública. Ao virar essa página de minha vida e da história política de Ourinhos, ficam muitos aprendizados, a todos, principalmente a termos um olhar mais crítico a denúncias ou fatos veiculados, não apenas no âmbito local, mas nacional e até mundial, onde a famosa frase do jornalista Artur da Távola, que já foi citada em meus artigos, se faz mais atual do que nunca: “tomar o indício como sintoma, o sintoma como fato, o fato como julgamento, o julgamento como condenação e a condenação como linchamento”.

Devemos ter sempre em mente que outros desafios virão e, por mais que novas experiências venham, sempre iremos crescer e, junto com elas, também vem o aprendizado e a certeza de que teremos ao nosso lado pessoas dispostas a nos apoiar e ajudar incondicionalmente, com dedicação e amor, onde nossas decisões e convicções devem ser marcadas pela fé em Deus, que nunca nos abandona.

Mais um período eleitoral chegou e com ele todas as articulações comuns nessa época, especulações, muitos “achismos” por parte dos tidos como entendidos em política, mas somente após o período das convenções realmente sabemos na verdade o quadro que estará nas ruas nos próximos meses, em todos os cantos do país. Para chegar a esses nomes, como sempre, há as torcidas, a exemplo do futebol e cada time escala seu melhor quadro para continuar ou tentar entrar no jogo, e dessa vez também não foi diferente e todos os fatos que antecederam essas decisões com certeza fortaleceram convicções, bem como também sempre deixam marcas, que com o passar do tempo e as campanhas efetivamente lançadas tendem a cicatrizar e os objetivos passam a ser outros, principalmente vencer o pleito eleitoral.

Só alcança a vitória quem se dispõe a lutar, e é assim em todos os segmentos de nossa vida, onde as experiências, mesmo as desagradáveis, serão sempre positivas, pois permitem que a cada fato, uma nova página passa a ser virada em nossas vidas.

Por conta do período eleitoral, também os assuntos tratados em artigos e blogs passam a ter um cuidado especial, por conta da legislação eleitoral, por isso editores, articulistas e colaboradores devem estar atentos, com a finalidade de evitar sanções legais.

0comentáriosclique e comente

jun   201230

Planeta Terra: Lotação esgotada!

Postado em Artigo

Com esse título, foi abordada em uma série de matérias jornalísticas por uma emissora de televisão, a forma como o ser humano vem tratando nosso planeta e nos faz realmente entender ou rever conceitos atinentes ao uso ou reuso de nossos recursos naturais bem como a forma de ocupação dos espaços urbanos.

A produção de alimentos e energia já não são suficientes para atender à demanda mundial, bem como a poluição recorde verificada atualmente fazem com que nossa camada protetora do planeta sofra com o chamado efeito estufa.

Também vimos a forma com que são desmatadas nossas florestas e que as medidas punitivas em nada sensibilizam os infratores, pois de nada adianta apreender toneladas de madeira, anualmente se o foco dessa destruição não é atacado e eliminado.

Nos grandes centros urbanos, em especial a cidade de São Paulo, ficam claras os diferenças sociais e qualidade de vida, onde a mobilidade urbana tem sido um assunto cada vez mais discutido, mas efetivamente pouco tem sido feito, só pra se ter ideia o paulistano fica 32,5 dias por ano dentro de carros, trens ou ônibus, devido a falta de política publica de transportes realmente eficaz e isso se traduz diretamente na qualidade ou falta de qualidade de vida. Enquanto São Paulo tem pouco mais de 70 km de linhas de metrô, Londres possui mais de 400 km, esses dados mostram o quanto ainda tem de ser feito.

No quesito produção de alimentos, nosso país, mesmo com os bolsões de miséria, ainda não está em situação crítica, como em muitos países onde o alimento é coisa rara e milhares de pessoas morrem anualmente pela fome.

A água potável também está sendo tratada com descaso, e isso já custa caro à humanidade, onde sua escassez tem levado povos de muitos países a entrarem em conflitos, pois sem ela não há vida, por isso é considerada como o ouro do século XXI. O Brasil é rico em recursos hídricos, mas mesmo assim temos regiões onde boa parte da população vive a base de abastecimento por caminhões tanques e a situação é extremamente preocupante.

Saber dos problemas que enfrentamos não é suficiente, o relatório da Rio + 20 deixa claro que as atitudes a serem tomadas devem ser rápidas e efetivas, e os problemas não podem ser colocados embaixo do tapete, correndo o risco de termos a edição da Rio + 40 discutindo os mesmos problemas, mas de forma ainda mais agravada, por isso a urgência na união das grandes potências em conjunto com todos os países menos desenvolvidos, numa atitude forma global, caso contrário, a continuidade da vida humana estará seriamente ameaçada.

0comentáriosclique e comente

jun   201228

Rio + 20

Postado em Artigo

O assunto sustentabilidade ambiental tem tomado conta da sociedade no âmbito mundial, e o futuro da humanidade passa seriamente por essa discussão, onde atitudes irresponsáveis do passado refletem diretamente na situação atual, bem como as próximas atitudes influirão diretamente em nossa sobrevivência.

Há alguns meses tivemos a segunda edição do Fórum Global de Sustentabilidade – SWU, colocou o Brasil novamente no centro das atenções a esse assunto tão sério e delicado, com a participação de ativistas de vários países, que discutiram os problemas e propostas para um futuro realmente sustentável, nos diversos fóruns com palestras e amplo debate com os participantes, em prol da sustentabilidade ambiental, que conta ainda com uma vasta programação de shows nacionais e internacionais, todos muito bem selecionados. O foco principal do movimento Starts With You (SWU), ou seja COMEÇA COM VOCÊ, foi: inspirar, conscientizar e mobilizar, demonstrando que a sustentabilidade pode estar presente em todas as ações e contribuindo para o estabelecimento de práticas sustentáveis de forma inovadora.

A Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, está sendo realizada de 13 a 22 de junho de 2012, na cidade do Rio de Janeiro. A Rio+20 é assim conhecida porque marca os vinte anos de realização da Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (Rio-92) e deverá contribuir para definir a agenda do desenvolvimento sustentável para as próximas décadas.

A proposta brasileira de sediar a Rio+20 foi aprovada pela Assembléia-Geral das Nações Unidas, em sua 64ª Sessão, em 2009.

O objetivo da Conferência é a renovação do compromisso político com o desenvolvimento sustentável, por meio da avaliação do progresso e das lacunas na implementação das decisões adotadas pelas principais cúpulas sobre o assunto e do tratamento de temas novos e emergentes.

O chamado das Nações Unidas é ambicioso. Propõe aos Estados, a sociedade civil e aos cidadãos, estabelecer “os alicerces de um mundo de prosperidade, paz e sustentabilidade”, apontando três temas centrais: 1. Reforçar os compromissos políticos em favor do desenvolvimento sustentável; 2. Expor um resumo dos avanços e dificuldades associados à sua implementação; 3. Analisar as respostas aos novos desafios emergentes das sociedades. Duas questões, estreitamente ligadas, colocam-se no alvo da cúpula: 1. uma economia verde em prol da sustentabilidade e da erradicação da pobreza; 2. a criação de um marco institucional para o desenvolvimento sustentável.

Infelizmente não temos a participação dos governantes das principais potências mundiais, mas certamente as decisões tomadas aqui terão reflexo global e acabarão por forçar não apenas a conscientização, mas ações efetivas no sentido de respeito a natureza e totalmente sustentáveis além do respeito ao meio ambiente.

Cabe a cada um de nós cumprir nosso papel no que diz respeito à preservação do meio ambiente, mas também cobrar atitudes do próximo e de nossos governantes.

0comentáriosclique e comente

jun   201211

Cigarro: causa evitável de mortes

Postado em Artigo

No dia 31 de maio foi comemorado o Dia Mundial de Combate ao Fumo em todo o mundo, onde foram realizadas manifestações contra o hábito, ou melhor, a doença, como é considerado o vício agora pela Organização Mundial da Saúde.

Esse assunto pode ser até maçante para algumas pessoas, mas deve ser tratado e encarado com seriedade, pois, por mais que haja essa consciência, milhões de pessoas continuam a se entregar ao vício, por isso deve ser tratado com a seriedade e responsabilidade que o assunto merece, com atitudes conscientes que vão além da Lei Anti-fumo vigente.

O vício do cigarro é um mal que afeta milhões de pessoas pelo mundo, sendo uma das principais causas de morte, inclusive no Brasil. Estima-se que no país ocorram 200 mil falecimentos por ano. Nos últimos dez anos, cerca de 50 milhões de pessoas morreram como resultado do uso do cigarro. Apenas em 2010, mais de 6 milhões de pessoas morreram no mundo, de acordo com informações da 4ª edição do Atlas do Tabaco lançado pela Sociedade Americana do Câncer e pela Fundação Mundial do Pulmão.

O curioso é que, mesmo cientes dos males causados pelo hábito de fumar, os fumantes insistem numa rotina que só traz prejuízos ao seu organismo e daqueles que estão à sua volta, que vão do câncer de pulmão, doença coronariana, doença pulmonar obstrutiva crônica e doença cérebro-vascular, além de aneurisma arterial, trombose vascular, úlcera do aparelho digestivo, infecções respiratórias até a impotência sexual no homem.

Além do mal causado à saúde do fumante e dos que estão a sua volta, também há o impacto ambiental, pois basta manter um cigarro aceso para poluir o meio ambiente. A fumaça do cigarro contém mais de 4.700 substâncias tóxicas, incluindo arsênico, amônia, monóxido de carbono (o mesmo que sai do escapamento dos veículos), substâncias cancerígenas, além de corantes e agrotóxicos em altas concentrações. Dá para Imaginar a quantidade de toxidade que várias pessoas fumando deixam no nosso Planeta diariamente.

Além da fumaça tóxica, basta dar uma olhada nas calçadas, jardins, guias de sarjetas, pontos de ônibus e muitos outros locais, para comprovarmos o descaso da maioria dos fumantes com o meio ambiente e com o próximo, pela quantidade enorme de bitucas jogadas.

Outro dado a ser considerado pelo fumante é o aspecto financeiro de seu vício, ou doença, pois, de acordo com estimativas da Fundação Getúlio Vargas, o fumante gasta em média 6% do que ganha para bancar o vício. No mercado brasileiro são consumidos cerca de 100 bilhões de cigarros por ano, sendo 2 bilhões de produtos ilegais, ou seja, sem a devida fiscalização; o restante é do mercado oficial. Além do valor gasto com o consumo do cigarro, o indivíduo pode vir a ter despesas com o tratamento de doenças desencadeadas pelo vício, além de onerar ainda mais o sistema público de saúde.

As doenças relacionadas ao vicio do cigarro podem ser evitadas com a conscientização dos fumantes, sendo considerada como a principal causa evitável de mortes no mundo, ou seja, depende realmente do fumante a iniciativa de parar com o vício ou doença, e investir em sua própria vida.

0comentáriosclique e comente

mai   201231

O DIREITO E OS PRECATÓRIOS

Postado em Artigo

Muito se fala nos Precatórios e a esperança que milhares de brasileiros têm em receber direitos por passivos decorrentes de ações judiciais por direitos não pagos ou mesmo desapropriações de propriedades não pagas, por exemplo, as quais tramitam há anos no poder judiciário e nada de efetivo acontece, tanto no âmbito municipal, quanto estadual e federal.

Os Precatórios deveriam ser a formalização de requisição de pagamentos de determinada quantia, superior a 60 salários mínimos por beneficiário, devida pela Fazenda Pública em face de uma condenação judicial, ou seja, o precatório somente existe após a condenação do estado em um processo judicial.

Infelizmente o Governo não entende dessa maneira, e com a aprovação da PEC dos Precatórios, conhecida como PEC do Calote, pois trata-se de um calote oficializado nos precatórios, tendo como conseqüência alguns efeitos danosos aos cidadãos credores que poderão ser verificados, Desde a ditadura militar não se via mais uma forma de atentado tão forte por parte de nosso governo, contra a democracia, sendo refutada por entidades sérias como a Ordem dos Advogados do Brasil - OAB e suas seccionais e subseções, Associação dos Magistrados Brasileiros – AMB, entre outras dezenas que já subscreveram manifesto explicitando sua indignação.

A PEC aprovada, na forma atual, pretendeu modificar, ou melhor, eternizar o grave problema do pagamento das dívidas públicas estaduais e municipais. O risco que cidadãos e empresas credoras do Estado estão correndo é o de jamais receberem o que o Governo Federal, Estados e Municípios lhes devem, sendo um atentado ao Estado democrático de Direito e o Pacto Republicano.

Na teoria, as verbas alimentares deveriam ser prioridade, mas com o calote oficializado, perdem essa condição. Bom para o governo, que se mostra insensível quando tem de pagar o que deve, mas implacável e rigoroso na cobrança de impostos e demais tributos.

Cuidar da dignidade da pessoa humana, da segurança jurídica e do equilíbrio da relação Estado x cidadão é fundamental para quem quer parecer sério para a comunidade internacional. Cabe enfatizar que o Brasil não pode institucionalizar o calote do poder público em face de cidadãos e empresas na Constituição Federal, sob pena de sermos novamente rebaixados pelas agências de risco e voltarmos ao grupo dos discriminados pelo mercado financeiro internacional.

0comentáriosclique e comente

12345678910>>

Diário de Ourinhos