Diário de Ourinhos

envie sua pautahoroscopo
Blogueiros

Rodrigo Satis

www.diariodeourinhos.com.br/rodrigosatis
por Rodrigo Satis
set   20144

A fatalidade norte do Sol

Postado em Artigos

De uns tempos pra cá, sempre procurei viajar como um pintor paisagista e isso me leva, constantemente, a ver tudo com o coração de alguém que se interessa por todas as nuances de cor, brilho e sombra que há no mundo humano. Fui dessa vez, quase que numa viagem onírica onde o sol não dá trégua alguma e faz-nos, sem dúvida, sentir e repensar nos... (continue lendo)

0comentáriosclique e comente

ago   201428

Do Liso amor que enrugou

Postado em Artigos

Quando sinto que uma fatalidade me cai na cabeça como uma bigorna da ACME, eu sempre me lembro da compreensão solitária de Heráclito no mundo grego: “Não se pode entrar duas vezes no mesmo rio”. Essa me parece, até agora, uma das poucas visões de mundo que permite a possibilidade de se reaver com o mundo e o sofrimento nele contido nos períodos em que... (continue lendo)

0comentáriosclique e comente

Quando ouvi falar pela primeira vez desse tal de “do it yourself” nem imaginava a capacidade que ele teria de servir de “auto-formação” de uma subjetividade. Sério! Essa ideia gerada pelo movimento punk, que pode ser bem traduzida pelo termo da moda “faça-você-mesmo”, afetou nossas cabeças de tal modo que todo nosso corpo se embalou nessa prome... (continue lendo)

0comentáriosclique e comente

Era sempre pego de surpresa quando o telefone tocava e do outro lado estava o seu Tolentino: “As duas horas eu passo te pegar. Vista roupas velhas!” dizia ele. Foi nesse tempo que eu aprendi que a tralha que muitos jogavam fora transformava-se em dinheiro na mão do avô Tolentino. Vários tipos de metais e uma pilha de papelão compunham seu velho(continue lendo)

0comentáriosclique e comente

jul   201412

Um significado para a Vergonha

Postado em Artigos

“Panem et Circenses” é o que vitupera Juvenal em sua sátira de número dez. Como um moralista honesto, se, naquele exato momento, fosse lhe dado um microfone, talvez o poeta conseguisse ser mais honesto do que um Galvão, por exemplo. “Pão e circo” ele acusava. Acusava o espetáculo, acusava o mecanismo de poder que influenciava a massa de romanos. Mesmo... (continue lendo)

0comentáriosclique e comente

12345678910>>